5 dicas de dieta antienvelhecimento para acrescentar anos à sua vida e vida aos seus anos

Você quer viver intensamente sua idade avançada? Quer parecer mais jovem, sentir-se ótimo e pensar com clareza hoje e por toda a vida? Bem, aa novidades são boas. Temos todas as razões para acreditar que podemos adiar o envelhecimento por décadas e parecer, pensar e nos sentir ótimos nesse processo.

Muitas das doenças e disfunções associadas ao envelhecimento são hoje identificadas como um resultado do estilo de vida. (40, 44) Resumindo, não são apenas os anos que causam deterioração, mas a forma escolhida de viver. Podemos maximizar nossa saudável meia-idade e adiar ou mesmo evitar a velhice frágil se estivermos dispostos a mudar nossa alimentação, a maneira como tomamos suplementos e como vivemos. (1, 11, 14, 15, 24)

O envelhecimento é um processo contínuo, não um evento repentino. Você não acorda em uma manhã e descobre que está velho. As mesmas questões nutricionais relacionadas aos idosos, de doenças cardíacas ao envelhecimento da pele, têm seus princípios na meia-idade. Aquelas questões de saúde relacionadas à alimentação só aumentam com o passar dos anos. As vitaminas D e B12 são exemplos de como a necessidade do corpo por nutrientes aumenta à medida que envelhecemos. Seu corpo produz vitamina D quando a pele está exposta à luz do sol, mas vai perdendo gradualmente essa habilidade com a idade. (51, 52) Isso significa que as fontes alimentares e suplementares de vitamina D tornam-se cada vez mais importantes a cada década que passa. (2) Além disso, a necessidade de vitamina B12 ganha cada vez mais importância à medida que envelhecemos, no entanto muitos idosos têm carência dela. (23, 33) Outros exemplos de nutrientes necessários em maiores quantidades para a saúde na idade avançada incluem o cálcio e a vitamina B6. (50, 53)

Quanto antes você começar a transformar sua dieta em uma alimentação antienvelhecimento, melhor. Mas nunca é tarde demais. O plano é simples, se você seguir cinco dicas simples:

Dica antienvelhecimento nr. 1: encha o prato de verduras e frutas

O hábito alimentar mais importante que você pode adotar para retardar, parar ou até reverter o processo de envelhecimento é aumentar sua ingestão de alimentos ricos em antioxidantes e fibras, especialmente frutas e verduras variadas. (5, 6, 10, 34, 37) Uma das causas inerentes a todas as doenças relacionadas à idade, de doenças cardíacas a cataratas e enrugamento da pele, são os fragmentos de oxigênio, os chamados oxidantes ou radicais livres. Se não forem controlados, esses oxidantes danificam células e tecidos, e isso só aumenta com a idade. (49) Felizmente, o corpo conta com os antioxidantes, um sistema contra os radicais livres, que os desativa, livrando o corpo de seus efeitos danosos. (45, 46)

Muitos desses antioxidantes vêm da nossa alimentação. Por exemplo, a vitamina C contribui para a produção normal de colágeno, a estrutura de apoio básica da pele. A exposição ao sol rouba vitamina E da pele, enquanto o aumento da ingestão deste antioxidante contribui para a proteção das células contra o estresse oxidante. (38) A ciência sabe que a vitamina E também pode desacelerar o envelhecimento das células da pele ao reduzir a produção de uma enzima chamada colagenase, que quebra o colágeno, causando flacidez e enrugamento. (47)

Aumente seu arsenal de antioxidantes adicionando frutas e verduras coloridas à sua dieta. Vegetais de folha verde escura são especialmente ricos em antioxidantes e uma boa fonte de ácido fólico e vitamina K, um nutriente que apoia a saúde do cérebro. (30) Com uma dieta repleta de frutas e verduras, você também vai ter uma aparência boa e se sentir mais jovem, além de ter mais facilidade para controlar a medida da cintura! (48, 54)

Dica antienvelhecimento nr. 2: foque em gorduras saudáveis

Algumas gorduras, como as saturadas e as trans, parecem acelerar o processo de envelhecimento. Alimentos como a carne vermelha, laticínios gordurosos e qualquer coisa feita com óleos vegetais hidrogenados deveriam ser reduzidos. (3, 13, 22, 35) Substitua então essas gorduras por outras saudáveis, como as monoinsaturadas do óleo virgem de oliva e os ômega-3 de peixes. A gordura ômega-3 DHA é de especial importância para a saúde do coração e a manutenção da visão normal. (12, 16) Ela também pode ajudar a manter sua mente em forma. (27, 28, 29, 32, 33) Inclua duas ou mais porções semanais de peixe gordo, como o salmão, em sua alimentação ou tome um suplemento de DHA.

Dica antienvelhecimento nr. 3: continue enxuto com comida de verdade

Livrar-se dos pneuzinhos está tão certo quanto parar de fumar como melhor forma de prolongar a saúde da meia-idade para além dos 70 anos. Perder peso é possível, se você seguir uma regra simples: corte alimentos processados e fast-food e foque em comida de verdade. Alimentos processados não só trazem quilos extras, como aceleram o processo de envelhecimento. Por outro lado, você reduz calorias ao basear sua dieta em alimentos em sua forma original, tais como barrinhas de aveia e não de granola, batatas e não batatas fritas, pão 100% integral e não pão branco, milho na espiga e não tortilla chips. (7, 8, 36, 39, 42, 43)

Dica antienvelhecimento nr. 4: use suplementos de forma correta

Sempre opte primeiro por alimentos para atender às suas necessidades nutricionais. Mas faz sentido preencher as lacunas nutricionais com um ou dois suplementos nos dias nos quais não puder se alimentar de maneira ideal. (21, 41) O truque é escolher o suplemento correto. Quando o assunto é qualidade, considere o seguinte:

Passo 1: selecione um suplemento multivitamínico e com sais minerais de ampla gama. Procure um que contenha as vitaminas A, D, E e K, todas as vitaminas B (vitaminas B1, B2, B6, B12, niacina e ácido fólico) e micronutrientes (cromo, cobre, ferro, magnésio, selênio e zinco).

Passo 2: leia a coluna intitulada “Valor Diário” nos rótulos das embalagens. Procure um multivitamínico que forneça cerca de 100%, mas não mais do que 300% do valor diário para todos os nutrientes em questão. Você quer um suplemento balanceado, não um que forneça 2% de um nutriente, 50% de outro e 600% de mais outro. Uma exceção a essa regra é a vitamina D, que pode ser tomada em maiores quantidades que as indicadas no valor diário.

Passo 3: nos EUA, procure pelo selo da USP. A United States Pharmacopeia (Farmacopeia dos Estados Unidos, na tradução em português) é uma organização não-governamental de referência. Segundo as determinações deste selo de qualidade, o suplemento deve se dissolver no trato intestinal, ser feito de ingredientes puros e conter a quantidade de nutrientes listada no rótulo.

Passo 4: suplemente seu suplemento. Nenhum multivitamínico de um comprimido só ao dia tem cálcio ou magnésio o suficiente. Outros suplementos a serem considerados incluem a luteína e a zeaxantina para os olhos e o ômega-3 DHA para o coração, a visão e a mente. (17, 18, 19, 20)

Dica antienvelhecimento nr. 5: movimente-se!

Não tem como escapar – você tem que malhar. Você precisa de uma atividade aeróbica diária (como caminhadas, corrida, natação ou ciclismo) para queimar gordura e manter seu coração e sua mente em boa forma, e atividades de fortalecimento (levantamento de peso) ao menos duas vezes por semana para manter os músculos, nem que seja só levantar caixas de leite na cozinha. (4, 9, 25, 26, 31)

A melhor notícia é que você é um pacote completo. Os conselhos sobre alimentos para a proteção do seu coração também vão apoiar a saúde do seu cérebro e ajudar a manter uma aparência radiante. Alimente-se bem!

Referências

1. Jacob M, Yee L, Diehr P, et al: Can a healthy lifestyle compress the disabled period in older adults? Journal of the American Geriatric Society 2016;64:1952-1961.

2. Schleicher R, Sternberg M, Lacher D, et al: The vitamin D status of the US population from 1988-2010 using standardized serum concentrations of 25-hydroxyvitamin D shows recent modest increases. American Journal of Clinical Nutrition 2016;July 6th.

3. Song M, Fung T, Hu F, et al: Association of animal and plant protein intake with all-cause and cause-specific mortality. JAMA Internal Medicine 2016; August 1st.

4. Merril D, Siddarth P, Raji C, et al: Modifiable risk factors and brain positron emission tomography measures of amyloid and tau in nondemented adults with memory complaints. American Journal of Geriatric Psychiatry 2016; August 17th.

5. Du H, Li L, Bennett D, et al: Fresh fruit consumption and major cardiovascular disease in China. New England Journal of Medicine 2016;374:1332-1343.

6. Buil-Cosiales P, Toledo E, Salas-Salvado J, et al: Association between dietary fibre intake and fruit, vegetable, or whole grain consumption and the risk of CVD. British Journal of Nutrition 2016; June 6:1-13.

7. Song M, Hu F, Wu K, et al: Trajectory of body shape in early and middle life and all cause and cause specific mortality. British Medical Journal 2016; May 4th.

8. Aune D, Sen A, Prasad M, et al: BMI and all cause mortality. British Medical Journal 2016; May 4th.

9. Kraschnewski J, Sciamanna C, Poger J, et al: Is strength training associated with mortality benefits? Preventive Medicine 2016; 87:121-127.

10. Gopinath B, Flood V, Kifley A, et al: Association between carbohydrate nutrition and successful aging over 10 years. Journal of Gerontology 2016;June 1st.

11. Hagan K, Chiuve S, Stampfer M, et al: Greater adherence to the Alternative Healthy Eating Index is associated with lower incidence of physical function impairment in the Nurses  Health Study. Journal of Nutrition 2016;146:1341-1347.

12. DelGobbo L, Imamura F, Aslibekyan S, et al: Omega-3 polyunsaturated fatty acid biomarkers and coronary heart disease. JAMA Internal Medicine 2016;June 27th.

13. Wang D, Li Y, Chiuve S, et al: Association of specific dietary fats with total and cause-specific mortality. JAMA Internal Medicine 2016;July 5th.

14. Feigin V, Roth G, Naghavi M, et al: Global burden of stroke and risk factors in 188 countries, during 1990-2013. Lancet Neurology 2016;June 9th.

15. Loprinzi P, Branscum A, Hanks J, et al: Healthy lifestyle characteristics and their joint association with cardiovascular disease biomarkers in US adults. Mayo Clinic Proceedings 2016;91:432-442.

16. Marklund M, Leander K, Vikstrom M, et al: Polyunsaturated fat intake estimated by circulating biomarkers and risk of cardiovascular disease and all-cause mortality in a population-based cohort of 60-year-old men and women. Circulation 2016;132:586-594.

17. Silvan J, Requero M, de Pascual-Teresa S: A protective effect of anthocyanins and xanthophylls on UVB-induced damage in retinal pigment epithelial cells. Food & Function 2016; 7:1067-1076.

18. Alassane S, Binquet C, Cottet V, et al: Relationships of macular pigment optical density with plasma lutein, zeaxanthin, and diet in an elderly population. Investigative Ophthalmology and Vision Science 2016;57:1160-1167.

19. McCusker M, Durrani K, Payette M, et al: The role of vitamins, essential fatty acids, and antioxidants in age-related macular degeneration, dry eye syndrome, and cataracts. Clinical Dermatology 2016; 34:276-285.

20. Gatell-Tortajada J: Oral supplementation with a nutraceutical formulation containing omega-3 fatty acids, vitamins, minerals, and antioxidants in a large series of patients with dry eye symptoms. Clinical Intervention in Aging 2016;11:571-578.

21. Rautiainen S, Rist P, Glynn R, et al: Multivitamin use ant the risk of cardiovascular disease in men. The Journal of Nutrition 2016; 146:1235-1240.

22. Stefani E, Boffetta P, Ronco A, et al: Meat consumption, related nutrients, obesity and risk of prostate cancer. Asian Pacific Journal of Cancer Prevention 2016;17:1937-1945.

23. Pfisterer K, Sharratt M, Heckman G, et al: Vitamin B12 status in older adults living in Ontario long-term care homes. Applied Physiology, Nutrition, and Metabolism 2016; January 19th.

24. Gardener H, Wright C, Dong C, et al: Ideal cardiovascular health and cognitive aging in Northern Manhattan Study. Journal of the American Heart Association 2016; March 16th.

25. Steffener J, Habeck C, O Shea D, et al: Differences between chronological and brain age are related to education and self-reported physical activity. Neurobiology and Aging 2016; 40:138-144.

26. Raji C, Merrill D, Eyre H, et al: Longitudinal relationships between caloric expenditure and gray matter in the Cardiovascular Health Study. Journal of Alzheimer s Disease 2016: March 11th.

27. Morris M, Brockman J, Schneider J, et al: Association of seafood consumption, brain mercury level, and APOE e4 status with brain neuropathology in older adults. Journal of the American Medical Association 2016; 315:489-497.

28. Heras-Sandoval D, Pedrraza-Chaverri J, Perez-Rojas J: Role of docosahexaenoic acid in the modulation of glial cells in Alzheimer s disease. Journal of Neuroinflammation 2016; March 10th.

29. Nishihira J, Tokashiki T, Higashiuesato Y, et al: Associations between serum omega-3 fatty acid levels and cognitive functions among community-dwelling octogenarians in Okinawa, Japan. Journal of Alzheimers Disease 2016; February 16th.

30. Soutif-Veillon A, Ferland G, Rolland Y, et al: Increased dietary vitamin K intake is associated with less severe subjective memory complaint among older adults. Maturitas 2016; February 11th.

31. Schafer M, White T, Evans G, et al: Exercise prevents diet-induced cellular senescence in adipose tissue. Diabetes 2016; March 16th

32. Zhang Y, Chen J, Qiu J, et al: Intakes of fish and PUFAs and mild-to-severe cognitive impairment risks. American Journal of Clinical Nutrition 2015; December 30th.

33. Oulhaj A, Herneren F, Refsum H, et al: Omega-3 fatty acid status enhances the prevention of cognitive decline by B vitamins in mild cognitive impairment. Journal of Alzheimer s Disease 2016; January 6th.

34. Wu J, Cho E, Willett W, et al: Intakes of lutein, zeaxanthin, and other carotenoids and age-related macular degeneration during 2 decades of prospective follow-up. JAMA Ophthalmology 2015; October 8th.

35. Gu Y, Brickman A, Stern Y, et al: Mediterranean diet and brain structure in a multiethnic elderly cohort. Neurology 2015; October 21st.

36. Sahakyan k, Somers V, Rodriquez-Escudero J, et al: Normal-weight central obesity. Annals of Internal Medicine 2015; November 10th.

37. Bernstein P, Li B, Vachali P, et al: Lutein, zeaxanthin, and meso-zeaxanthin: The basic and clinical science underlying carotenoid-based nutritional interventions against ocular disease. Progress in Retinal and Eye Research 2015; November 2nd.

38. Montagnani M, Marzagalli M, Moretti R, et al: Vitamin E alpha tocotriene triggers endoplasmic reticulum stress-mediated apoptosis in human melanoma cells. Science Report 2016;July 27th.

39. Chuang Y, An Y, Bilget M, et al: Midlife adiposity predicts earlier onset of Alzheimer s dementia, neuropathology and presymptomatic cerebral amyloid accumulation. Molecular Psychiatry 2015; September 1st.

40. Xu W, Tan L, Wang H, et al: Meta-analysis of modifiable risk factors for Alzheimer s disease. Journal of Neurology, Neurosurgery & Psychiatry 2015;August 21, 2015.

41. Mohajeri M, Troesch B, Weber P: Inadequate supply of vitamins and DHA in elderly: Implications for brain aging and Alzheimer-type dementia. Nutrition 2015;31:261-275.

42. Huang T, Xu M, Lee A, et al: Consumption of whole grains and cereal fiber and total and cause-specific mortality. BMC Medicine 2015;13:59.

43. Berti V, Murray J, Davies M, et al: Nutrient patterns and brain biomarkers of Alzheimer s disease in cognitively normal individuals. Journal of Nutrition, Health & Aging 2015;19;:413-423.

44. Crous-Bou M, Fung T, Prescott J, et al: Mediterranean diet and telomere length in Nurses  Health Study. British Medical Journal 2014;December 2nd.

45. Freitas-Simoes T, Ros E, Sala-Vila A: Nutrients, foods, dietary patterns and telomere length. Metabolism 2016; 65:406-415.

46. Kandola K, Bowman A, Birch-Machin M: Oxidative stress: A key emerging impact factor in health, ageing, lifestyle and aesthetics. International Journal of Cosmetic Science 2016;37:1-8.

47. Rimbach G, Minihane A, Majewicz J, et al: Regulation of cell signaling by vitamin E. Proceedings of the Nutrition Society 2002;61:415-425.

48. Schagen S, Zampeli V, Makrantonaki E, et al: Discovering the link between nutrition and skin aging. Dermatoendocrinology 2012;4:298-307.

49. Nomellini V, Gomez C, Kovacs E: Aging and impairment of innate immunity. Contributions to Microbiology 2008 15:188-205.

50. Gallagher J: Vitamin D and aging. Endocrinology and Metabolism Clinics in North America 2013;42:319-332.

51. Veldurthy V, Wei R, Oz, et al: Vitamin D, calcium homeostasis and aging. Bone Research 2016;October 18th.

52. Wacker M, Holick M: Sunlight and vitamin D. Dermatoendocrinology 2013;5:51-108.

53. Allen L: How common is vitamin B12 deficiency? American Journal of Clinical Nutrition 2009;89:693S-696S.          

54. Astrup A: How to maintain a healthy body weight. International Journal of Vitamin and Nutrition Research 2006;76:208-215.

 

Postagens recentes


Este site utiliza cookies para armazenar informações no seu computador.

x